terça-feira, 1 de março de 2011

Aspectos Geomorfológicos de Amarante - Piauí

         As formas de relevo, como componentes do quadro fisionômico do município sofrem influências de sua localização caracterizada pelo perfil da bacia do rio Parnaíba que se utilizando da classificação de ROSS (2008) são consideradas como planaltos e chapadas da bacia do Parnaíba, que apresenta um modelado muito complexo com escarpas caracterizadas por frentes de cuestas (ver figura 1 e 2) com topos planos e amplos sustentados por sedimentos do cretáceo, enquanto os segmentos dissecados e as escarpas normalmente se associam aos sedimentos do Paleozóico.
Através das análises das cartas topográficas da DSG a região possui uma geomorfologia com um relevo movimentado compreendida por superfícies tabulares reelaboradas (chapadas baixas), com partes suavemente onduladas e altitudes variando de 150 a 400 metros.


Figura 1 – Chapada da Muquila.
Fonte: LIRA FILHO, M. A (2010)



Figura 2 – Chapada do Mimbó com relevo em padrão cuestiforme reelaborado.
Fonte: LIRA FILHO, M. A (2010)

         O relevo cuestiforme das chapadas é reelaborado pela ação eólica e erosiva dos cursos d’água adquirido uma forma tabular semelhante a uma mesa e em seu topo apresentando uma vegetação arbórea-arbustiva. Atente na Figura 2 para o padrão curvilíneo do rio Canindé e da formação dos diques marginais à direita da imagem.
          Para a melhor percepção da fisionomia geomorfológica típica do município, segue abaixo um MDE da Chapada da Muquila, que corresponde à área com as maiores cotas altimétricas do município, sendo estas superiores aos 400 metros no qual é possível perceber o modelado tabular e o padrão cuestiforme.


  

Fonte: ROSS, J.L.S. Geografia do Brasil. 5. Ed. rev. Ampl.,reimpr. São Paulo: USP, 2008. 63 – 65p.


CURTIU? ENTÃO DEIXE UM COMENTÁRIO



10 comentários:

  1. ótima iniciativa, você esta de parabéns por tornar Amarante divulgada pára o mundo e trazer um bom conteúdo de geografia para os leitores desse blog, mas gostaria de saber como se deu a formação dessas formas de relevo e que deposições e processos as originaram. tenho certeza que com seu brilhantismo a geografia so tem a ganhar, e Amarante mais ainda.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Igor faço o possível sempre por Amarante rrsrsr. Agora quanto ao brilhantismo eu acho que não chego a tanto. Apenas “arranho” algumas coisas rrsrs. Bem! Mas vamos ao que interessa. Para entender melhor é preciso relembrar um pouco da evolução da Plataforma Sul – Americana. A estrutura básica do Relevo atual de Amarante é resultante dos processos tecnosedimentares que ocorreram desde o Paleoarqueano (3,5 Bilhões de anos atrás) ao Eo-Ordoviciano (400 milhões de anos atrás), onde estão registradas litologias, e outras feições importantes decorrentes das grandes colagens orogênicas de caráter mundial e outros processos de fusão e aglutinação de massas continentais e também dos eventos de tafrogênese que possibilitaram a reativação da plataforma sul americana.
    Do Ordoviciano aos nossos dias, foram desenvolvidos os estágios das coberturas sedimentares intrinsecamente fanerozóicas, que são decorrentes da meteorização das rochas cristalinas dos escudos e dos cinturões orogenéticos e neste período a plataforma Sul-Americana fazia parte do supercontinente pangeia. Por volta do final do Mesozóico (250 milhões de anos atrás) no período Cretáceo houve o processo de reativação plataformal que foi o Evento Sul-Atlantiano que deu origem á parte sul do Oceano Atlântico provocando o retrabalhamento nas rochas preexistentes.
    Na área do município esse ciclo geotectônico provocou os soerguimentos epirogenéticos que resultaram na elevação das coberturas sedimentares fanerozóicas formando as chapadas descritas na postagem. Portanto a estrutura do Relevo é geologicamente antiga. No tocante às formas do relevo elas são resultantes dos processos e agentes externos, já relatados que são atuantes desde o cenozóico aos dias atuais, portanto são formas recentes.
    Bem! Espero que tenha ajudado a esclarecer as suas dúvidas e se estiver algo fora do contexto ou com erros ñ deixe de argumentar, pois é com discussão que a Geografia avança.
    As informações aqui apresentadas foram retiradas da obra A Geologia do Brasil no Contexto da Plataforma Sul – Americana de Carlos Schobenhaus e Benjamin Bley de B. Neves.

    ResponderExcluir
  3. eita...a geografia ta em boas mãos e o igor não deixa de fazer perguntas....a cidade é linda...dica: faça um levantamento sobre o processo de ocupação do municipio e deixe as contribuições aqe!! gostaria de saber...pq ainda hj guarda registros de séculos passados...tire fotos da cidade, dos casarões....lindo d+ inté

    ResponderExcluir
  4. Eita!!!! é um desafio a cada dia!!! Mais é muito bom e agradeço os comentários. É assim que a Geografia traça os seus caminhos em busca do entendimento dos vários espaços geográficos. E Roneide irei produzir um post sobre ocupação, obrigado pela sugestão. Abraço!!

    ResponderExcluir
  5. Muito bom este blog! adorei! ter um tema central é muito importante e a escolha de Amarante é excelente tanto pelo apelo afetivo que tem pra você como pela importância da cidade. Foi você quem fez esse vídeo? Continue escrevendo e escreva um livro depois ;)

    ResponderExcluir
  6. Obrigado!!! Foi, tou aprendendo a mexer no programa ArcGIS!! \0/

    ResponderExcluir
  7. POXA, AMARANTE E SENSACIONAL OU NAO É!? TAVA PESQUISANDO OUTRA COISA QUANDO DESCOBRI ESTA PAGINA, GOSTEI, PARABENS PELO TRABALHO.

    ResponderExcluir
  8. Obrigado!! Realmente Amarante é sensacional e existe ainda muita coisa a se pesquisar e produzir sobre o município.

    ResponderExcluir
  9. E quanto a UHE ESTREITO DO PARNAÍBA,a ser implantada aí em Amarante? É verdade que a UHE vai inundar, destruir todo o centro histórico da cidade? Qual parte da cidade que será inundada? Atingirá ou não o centro histórico?

    ResponderExcluir
  10. Regina obrigado pela visita e o comentário no blog. Bem!! De acordo com o relatório de impacto ambiental (RIMA)produzido pelo consórcio de empresas, formado pela Chesf, pela construtora Queiroz Galvão, pela ENERGIMP S.A e pela CNEC Engenharia, a Usina Hidrelétrica de Estreito, terá uma área inundável de 63,33 Km² e será implantada na região próxima ao povoado Araras, zona rural de Amarante. Nem o centro histórico e nenhuma área urbana do município será inundada. Na cidade de Amarante os principais impactos ambientais serão o aumento do processo erosivo das margens do rio Parnaíba em virtude do aumento do nível das águas e para quem gosta do lazer na prainha em São Francisco do Maranhão que aproveite bem rsrrsr pois depois da construção de Estreito e também da usina de Castelhano na região de Palmeiras toda essa área de sedimentação fluvial será inundada. Obrigado pela atenção.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mais vistos!!!